sábado, 27 de novembro de 2010

Palacete Família Santos Dumont, Campos Elíseos

Casa do Santos Dumont, 2006 - Museu da Energia - Campos Elíseos - SP


O casarão foi por muitos anos residência de Henrique Santos Dumont, filho de Henrique Dumont, o Rei do Café - e irmão de Alberto, o inventor do avião. É um dos poucos imóveis do século XIX ainda existentes em São Paulo, e se localiza nos Campos Elíseos - o primeiro bairro destinado a moradias de luxo em São Paulo, arruado em 1879. Antes, a elite paulistana morava em pleno Centro Velho (o Triângulo), nos vetustos sobrados em estilo colonial. Nos Campos Elíseos, se iniciou o modelo de habitação de luxo em estilo eclético, com amplos jardins. Nos exemplares mais antigos, como a casa de Santos Dumont, a implantação se dá no alinhamento da rua, enquanto que posteriormente, a residência passou a ser implantada no centro do lote, afastada da rua.

Como moradia de um dos homens mais ricos do Brasil, o palacete foi decorado com o que havia de melhor na época, no Brasil e no mundo. Madeiras nobres, mármores italianos, pastilhas de mosaico veneziano revestindo o piso do jardim, uma profusão de magníficas pinturas murais - com filetes de ouro - e de papéis de parede importados recobrindo as paredes de praticamente todos os cômodos.

Após a morte de Henrique Santos Dumont, o imóvel foi vendido e adaptado para abrigar o Colégio Stafford, um internato - destino semelhante ao de vários outros palacetes dos Campos Elíseos.  Ao longo dos anos, foram construídos vários anexos do colégio no enorme terreno do imóvel, os principais sendo um prédio para as salas de aula e diretoria, em estilo eclético, projeto do escritório de arquitetura Presgrave & Mello,  e uma pequena residência para a proprietária do Colégio. O Casarão em si foi transformado em dormitório das alunas.

Depois de abrigar por décadas o Colégio Stafford, o imóvel passou a ser ocupado pela Sociedade Pestalozzi, tendo sido desapropriado pelo Governo do Estado e emprestado para a Sociedade. Os problemas começaram quando a Sociedade Pestalozzi se mudou para a Vila Guilherme, e o casarão ficou abandonado. Em 1983, foi invadido pela primeira vez pelos sem-teto, que aí permaneceram até 1990, quando o Governo do Estado conseguiu a reintegração de posse. Contudo, em 1995 os sem-teto invadiram novamente o imóvel, ainda abandonado pelo governo e já completamente dilapidado. A via-crúcis do casarão só terminou em 2001, com a reintegração definitiva, tendo sido retiradas na ocasião nada menos que 400 (!) pessoas. O imóvel foi então cedido à FPHESP, que deu início às obras de restauração para transformá-lo em sua nova sede, não sem antes enfrentar uma enorme série de percalços, entre os quais novas ameaças de invasões. Para iniciar os trabalhos, foi necessário primeiramente remover toneladas de lixo e escombros, e resolver o problema da verdadeira praga bíblica de ratos que infestava o imóvel.

Fonte: Piratininga.org

Casa do Santos Dumont, 2006 - Museu da Energia - Campos Elíseos - SP

Santos Dumont em sua casa no bairro de Campos Elíseos - SP (reprodução)
Santos Dumont e família na residência de Campos Elíseos
Fotos: Hélio Bertolucci Jr. por ocasião da inauguração do Museu da Energia - 2006


Visualizar Casas históricas paulistanas em um mapa maior (Mapa da região - Google Street View)


Visualizar Casas históricas paulistanas em um mapa maior

4 comentários:

  1. Olá Hélio, parabéns pelo post, muito bom! Abraço, Paulo Rezzutti

    ResponderExcluir
  2. Oi Paulo.
    Obrigado pelo comentário. O excelente texto é do Jorge do Piratinininga.org.

    Só estou reunindo pesquisas e fotografias (rs), para que possamos ainda desfrutar das casas históricas que ainda restam na cidade.

    ResponderExcluir
  3. Conheci esta residência em ruínas passando indo pro Bom Retiro está lindo!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Helio!

    Parabéns pelo blog informativo e importante.
    Estou fazendo um trabalho acadêmico sobre o Museu da Energia e o arquivo da bliblioteca da Fundação que administra esse Museu não está disponibilizando fotos do Casarão no período de sua construção.

    Como poderia fazer para encontrar fotos da história do casarão?

    ResponderExcluir